sábado, 12 de dezembro de 2009

Hoje, após um bom tempo sem postar aqui, volto para escrever um pouco.

Acho que estou precisando. Preciso dividir um pouco do que está se passando comigo.

Até meados de novembro passado, tudo ia bem, a passos de tartaruga em relação a tudo, mas como sempre, indo na rotina.

Digo isso porque, desde que voltei do Japão, em março de 2008, tenho lutado para conseguir colocação no mercado de trabalho, em vão.

Ainda bem que, após longos 30 anos de contribuição, consegui a minha tão sonhada aposentadoria que, logo quando soube o valor, chorei copiosamente. Não de alegria, mas de frustração. Xinguei o Fernando Henrique pelo fator previdenciário. Herança do governo dele. Esperava tanto poder conseguir sobreviver com o salário tão almejado e, decepção, veio com 40% a menos que o esperado.

Enfim, a cada governo, vou recebendo as facadas que marcaram a minha vida. Do governo Collor ficou a tão sonhada carreira de publicitária que tive que abandonar por causa do desemprego depois do seu famigerado plano.

Não dá pra voltar no tempo. O negócio é correr atrás dos sonhos.

Eu nunca deixei de sonhar. Aliás, só consigo entender a vida pois eu sonho, tenho esperanças, porque ainda consigo captar a ternura das pessoas, cada vez mais raras.

Bom, voltando ao mês de novembro. Estava fazendo os meus exames médicos de rotina, todos através da saúde do governo (fiquei extremamente grata e supresa com a qualidade de atendimento que recebi - bem superiores a muitos planos de saúde) e, de uma hora para outra, recebi a notícia da minha endocrinologista. Estou com carcinoma papilífero na tireóide e terei de fazer a cirurgia de remoção da glândula e depois fazer radio-iodoterapia (nem sei como se escreve) e em seguida começar a tomar medicamento diariamente, para o resto da vida.

Chorei muito. Sofri muito. Até hoje a dor continua estampada em meu ser, no meu sorriso que não consegue mais ser como antes mas, como a vida continua e, como sei que, a minha vida a Deus pertence, vou seguindo a minha rotina, aguardando o dia da cirurgia.

Por outro lado, finalmente me chamaram para trabalhar. Foi de um dos inúmeros concursos que prestei ao longo do ano. Enfim, é pouco mas agora tenho mais segurança e até estou me sentindo melhor pois vou me ocupar. Enfim serei funcionária pública: auxiliar administrativo do setor financeiro da FATEC - Centro Educacional Paula e Souza. Tenho até o dia 10 de janeiro de 2010 para assumir o cargo. Chique né? Eu é quem escolho quando quero começar a trabalhar. Bom, como o mês de dezembro já vai para a metade, escolhi começar depois das festas, no dia 04.

Dia 27 já tenho uma nova idade. Engraçado, até os 20 eu rezava pra que chegasse logo. Depois ficava rogando que o tempo não passasse. Mas passou. E muito rápido. Mais do que deveria. Foi mais rápido que a minha própria percepção do tempo. Tanto que a minha alma ainda tem 20 e poucos anos num corpo que, cronologicamente, está chegando aos 51. Afe! Pronto: falei! E não doeu tanto assim.